Passar para o conteúdo principal

Estratégia vs. cultura: E a vencedora é…

CEO Insights

Ser CEO pela segunda vez traz uma perspetiva única sobre a liderança. Rapidamente percebemos que não importa quão diferentes as organizações possam parecer, existem algumas “verdades universais” que se aplicam transversalmente.

Talvez a lição mais importante que aprendi ao transpor as fronteiras corporativas está relacionada com o equilíbrio entre a estratégia e cultura.

Uma estratégia clara e bem definida é crucial para unificar os colaboradores e impulsionar o desempenho. Uma cultura empresarial é também incrivelmente poderosa… talvez ainda mais… embora nem sempre o seja de uma forma produtiva.

Uma cultura vencedora pode elevar uma estratégia a patamares inéditos. Mas, no outro extremo, até a estratégia mais acentuada é vulnerável a uma cultura resistente. E, quando se coloca estratégia versus cultura num combate de wrestling empresarial, é melhor acreditar que a cultura irá vencer sempre a estratégia. Sem contestações.

Falando com franqueza: A cultura come a estratégia ao pequeno-almoço (ao almoço e ao jantar também, acrescentaria). Peter Drucker é muitas vezes reconhecido por criar a máxima, e é um sentimento poderoso: Os hábitos, as mentalidades e os preconceitos de uma cultura corporativa profundamente enraizada podem levantar todo o tipo de obstáculos até para a estratégia empresarial mais dinâmica e mais convincente.

A resposta não é comprometer a estratégia. É mudar a cultura para melhor refletir a realidade atual e a realidade futura de fazer negócios.

A resposta não é comprometer a estratégia. É mudar a cultura para melhor refletir a realidade atual e a realidade futura de fazer negócios.

No início do ano passado, durante a minha inclusão como CEO da Baxter, trabalhei com a minha equipa para reformular a nossa estratégia para uma nova era. E igualmente vital, identificámos os valores culturais necessários para que esta estratégia tenha sucesso: Compaixão pelos doentes… colaborar e jogar para vencer… coragem para falhar e continuar em frente… e muito mais. Alguns refletiram princípios há muito familiares na Baxter, enquanto outros pretendiam injetar maior rapidez, urgência e responsabilização na busca pela nossa missão fundamental: salvar e preservar a vida.

Evoluir enquanto cultura não é tão simples como recolher novos valores num gráfico. Mas tem de começar pelo topo… e, depois, ser reforçado com persistência obstinada a todos os níveis da organização. É a única maneira de garantir que a estratégia e a cultura funcionam em conjunto para impulsionar resultados para as partes interessadas, incluindo criar um “Melhor Local para Trabalhar” para os seus colaboradores.

 

—Joe Almeida, Presidente e CEO